Conceito Maitland: saiba mais sobre esse tratamento






Existem várias técnicas de Terapia Manual, e cada paciente necessita muitas vezes de mais de uma técnica para se atingir os objetivos do tratamento. Por  isso é imprescindível que o Fisioterapeuta tenha formação específica e habilidade através da experiência clínica para avaliar adequadamente e traçar os objetivos e condutas para cada caso.

O Maitland é nomeado conceito devido sua abordagem terapêutica englobar outras terapias com o objetivo de restaurar a função, no entanto, sua utilização depende de muito treinamento, tanto na formulação de hipóteses diagnósticas quanto para execução de suas técnicas.

O Conceito Maitland preconiza que as peças articulares só podem ser mobilizadas ou manipuladas nas direções de funcionamento das mesmas. É importante saber que a avaliação deve ser feita de forma analítica, somando as informações colhidas no exame subjetivo e objetivo para que seja tomada a decisão do procedimento terapêutico.

A aplicação das mobilizações articulares passivas proporciona ao tecido conjuntivo uma resposta mecânica. Tecidos conjuntivos tais como pele, fáscias, ligamentos, tendões, cápsulas articulares e fáscias musculares são compostos por tecidos extracelulares e celulares distintos, com diferentes curvas de tensão e carga.

No conceito Maitland, o tratamento da disfunção músculo-esquelético de um paciente baseia-se, como qualquer outro tratamento, num correto diagnóstico. O diagnóstico abrange os sintomas, movimentos e posições das articulações envolvidas.

O Conceito Maitland preconiza duas formas de aplicação das técnicas passivas articulares,sustentadas ou oscilatórias, que podem ser utilizadas através de movimentos passivos fisiológicos e acessórios.A aplicação das mobilizações articulares passivas proporciona ao tecido conjuntivo uma resposta mecânica. Tecidos conjuntivos tais como pele,fáscias, ligamentos, tendões, cápsulas articulares e fáscias musculares são compostos por tecidos extracelulares e celulares distintos, com diferentes curvas de tensão e carga.

Maitland desenvolveu seu método, fundamentando-se na regra côncavo-convexa. Esse princípio aborda a combinação dos movimentos que ocorrem nas articulações sinoviais conforme sua superfície.

Além dessa regra, o conceito Maitland dividiu os movimentos realizados pelo terapeuta, em cinco graus.

Do grau I ao grau IV, os movimentos são classificados como mobilizações, ou seja, movimentações passivas oscilatórias, com ritmos diferentes, realizadas de tal maneira que permite ao paciente evitar a sua realização. O grau V é classificado como manipulação, ou seja, movimentação passiva, dentro de um pequeno arco de movimento, com certa velocidade, de maneira que o paciente não consiga preveni-la.

A mobilização articular nos graus II e III tem como objetivo direcionar o processo de remodelamento tecidual, promovendo uma redução na proliferação de tecido fibrótico,ocasionando uma diminuição na formação de pontes cruzadas de colágeno e de adesões do tendão aos tecidos que o envolvem. Influenciaria também a dinâmica dos fluidos, que auxiliaria a diminuir o acúmulo de subprodutos da inflamação, e, assim, modulando o processo de dor.

Existem pontos importantes para o Fisioterapeuta ao mobilizar uma articulação:

1. Posicionar a articulação na posição de repouso inicialmente para obter menos resistência dos tecidos conjuntivos.

2. Posicionar-se corretamente, para que sua aplicação seja feita com menor esforço e maior eficiência.

3. Mobilizar respeitando a orientação das superfícies articulares.Nesse caso o conhecimento anatômico é extremamente necessário, porém não soberano. A individualidade anatômica de cada um precisa ser respeitada

4. Utilizar o grau de mobilização apropriado ao estágio da disfunção

5. Evoluir as mobilizações passivas acessórias (artrocinemática) e fisiológicas, para movimentos ativos, com qualidade.

As mobilizações articulares podem ser realizadas em qualquer articulação sinovial e funcional, sempre respeitando as direções e amplitudes do movimento, sendo que, os tipos de superfícies articulares móveis são classificadas como côncavas, convexas ou planas.

As indicações para utilização das Mobilizações Articulares Passivas devem estar relacionadas com a técnica escolhida. A restauração da artrocinemática (movimentos acessórios) é preconizada na maioria dos casos antes das mobilizações osteocinemáticas (movimento fisiológico).

De acordo com Maitland (2003), segue abaixo as indicações do conceito Maitland, exceto em pacientes com prótese articular e lassidão ligamentar:

1. Aumentar o movimento articular acessório e fisiológico

2. Diminuir e controlar quadro álgico

3. Diminuir o espasmo muscular protetor

Algumas contra-indicações do Conceito Maitland, que são:

1. Artrite reumática, fase aguda; espondilose cervical com isquemia vértebrobasilar, luxação, articulações com hipermobilidade, espondilolistese,espondilite anquilosante. Evidência de qualquer processo inflamatório na presença dessas patologias é contra-indicação absoluta

2. Enfraquecimento dos ossos, fraturas, malignidade, osteoporose, osteomielite,tuberculose

3. Distúrbios circulatórios, como aneurismas, terapia anticoagulante, aterosclerose e insuficiência vértebrobasilar da artéria vertebral. (contra–indicação absoluta para as mobilizações grau V).

4. Hérnia de disco com envolvimento neurológico grave.

5. Presença de doenças infecciosas.

6. Gravidez (contraindicação relativa) - Se a dor é claramente originada da articulação, não haveria contraindicação absolutapara sua mobilização, tomando as devidas precauções.

7. Em crianças e adolescentes, graus III a V podem lesionar as placas decrescimento.

8. Na espasticidade, existe uma controvérsia na literatura.

O Maitland preconiza 5 níveis diferentes de mobilização/manipulação e graças a isto podemos aplicar desde uma patologia aguda até uma crônica com presença de artrose severa e osteoporose por exemplo. Por isso pode ser aplicada nas mais diversas patologias, adequando á técnica às alterações que o paciente apresenta. Por exemplo: artrose, osteoporose, espondilólise, espondilolistese, lombalgia, ciatalgias, cervicalgia, braquialgias, toracicalgia, sacroileites, síndrome facetária, hérnias de disco, síndrome do piriforme, bursites, tendinites, artrites, fibromialgia, síndrome do túnel do carpo, condromalácea patelar, distúrbios da ATM, cefaleia, dentre outras diversas alterações que o Maitland, técnica da especialidade da Terapia Manual, trata com qualidade e eficácia.

O conceito Maitland não é a única Terapia Manual que tem um ótimo resultado em diversas queixas que pacientes apresentam na prática clínica. Se você é profissional e quer conhecer outras técnicas, clique nesse link!

Até a próxima!


Trago soluções para sua carreira na Fisioterapia:




Comente:

Nenhum comentário